quarta-feira, 3 de maio de 2017

Famosas protestam contra reforma trabalhista nas redes sociais: "Vamos debater"

Taís Araújo, Tatá Werneck, Nathalia Dill, Camila Pitanga e Monica Iozzi criticaram medidas do governo federal

Vários atores famosos criticaram a reforma trabalhista proposta por Michel Temer (PMDB) em campanha virtual. Vários  famosos publicaram fotos com as Carteira de Trabalho e Previdência Social, apoiadas por hashtags
 como #somoscontraareformatrabalhista #nãodecidampornósporquetemosvoz.

Após a greve geral organizada por sindicatos de todo o Brasil na sexta-feira (28), agora é a vez de parte da classe artística protestar contra a reforma trabalhista proposta pelo governo do Presidente do Brasil. Famosas como Taís Araújo, Tatá Werneck, Nathalia Dill, Camila Pitanga e Leandra Leal pedem diálogo com a sociedade --e não somente com o congresso-- antes de as mudanças serem feitas.


"Sem ouvir todos os lados interessados não geraremos os empregos com a dignidade necessária. Vamos debater, sem partidarismo, mas visando ao melhor pra sociedade. Acredito que só através do diálogo e da mobilização popular poderemos, de fato, aperfeiçoar as relações trabalhistas", escreveu Taís Araújo no Instagram.


A reforma trabalhista foi encaminhada nesta terça-feira à Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal. Na Câmara dos Deputados, o projeto foi aprovado por 296 votos a favor - houve 177 contrários. A votação foi concluída na madrugada da quinta-feira (27), durante sessão com mais 14 horas de duração. 
De acordo com o Datafolha, 70% dos brasileiros discordam da mudança.
Hoje dia 03, a Comissão Especial da Reforma da Previdência (PEC 287/16) votará o parecer do relator. 

O projeto da reforma trabalhista tem sido condenado por vários setores da sociedade brasileira por flexibilizar a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e, segundo os críticos, mudar a legislação para favorecer os patrões em detrimento dos empregados. Na semana passada, aproximadamente 40 milhões de pessoas atenderam o chamado de centrais sindicais e fizeram uma greve geral de protesto no país contra as reformas trabalhista e previdenciária -  as alterações na Previdência Social são refutadas, entre outros pontos, por aumentar a idade mínima da aposentadoria, ampliar o tempo de contribuição e manter privilégios corporativistas.


A mobilização nas redes sociais aconteceu em uma data especial: o aniversário de 74 anos da Consolidação das Leis Trabalhistas, a CLT. Por isso, os artistas compartilham fotos de suas carteiras de trabalho como uma forma de protesto contra as medidas de Temer.


Fonte: marieclare

Nenhum comentário: