quarta-feira, 5 de julho de 2017

Mostra em Brasília exibe filmes nacionais dirigidos por mulheres negras

Programação traz produções recentes e também da pioneira Adélia Sampaio, da década 1980, vai apresentar um panorama da produção cinematográfica de diretoras negras no cinema brasileiro. O evento ocorre na Caixa Cultural e começa hoje  terça-feira (4), em Brasília, vai até o dia 11 de julho .

A Mostra nacional apresenta uma retrospectiva que começa com a pioneira Adélia Sampaio, mineira,  considerada a primeira negra a dirigir um longa-metragem no Brasil, e responsável por filmes como "Amor Maldito" (1984) o primeiro filme lésbico nacional.
Além de Sampaio, Carmen Luz, Sabrina Fidalgo, Danddara, Lilian Solá Santiago, Yasmin Thainá e Renata Martins são alguns dos destaques da programação.

 A mostra Diretoras Negras no Cinema Brasileiro é composta por 46 filmes, entre longas, médias e curtas-metragens de ficção e documentário. As produções audiovisuais têm como temática o racismo, o empoderamento da mulher e a herança cultural africana.
Além da projeção dos filmes, a mostra inclui também debates com diretoras e críticas de cinema.

Nesta terça-feira (4), as cineastas Flora Egécia e Edileuza Penha de Souza debatem as perspectivas e as transformações da mulher negra no cinema nacional. No sábado (8), as cineastas Viviane Ferreira e Letícia Bispo abordam a historiografia que conta o percurso das diretoras negras no cinema brasileiro.

A programação completa pode ser conferida neste link.

Falta de representatividade

O Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (Gemaa), da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), constatou em um estudo que nenhum dos filmes brasileiros de maior bilheteria entre 2002 e 2014 foi dirigido por uma mulher negra.

A pesquisa analisou os 20 lançamentos nacionais de maior bilheteria em cada ano quanto à cor e gênero de atores, diretores e roteiristas. Entre os filmes analisados, 84% dos diretores são homens brancos, 14% são mulheres brancas e 2% são homens negros.

Fonte:Brasildefato


Nenhum comentário: